segunda-feira, 26 de março de 2012

A volta do filho pródigo


- Bom dia, vô! disse a netinha, com ar de preocupação.
- Bom dia, netinha... tá preocupada com alguma coisa?
- Eu gostaria de saber um pouco sobre o que é "filho pródigo"...
- Posso saber o porquê?
- Claro, vô... é que eu ouvi essa frase outro dia: "voltou como o filho pródigo", e fiquei querendo saber o que isso  tem a ver com a vida da gente...
- Interessante... essa expressão é usada devido a uma história que Jesus contou aos seus apóstolos.
- E trata do quê, vô?
- Trata de dois irmãos, um pai e uma série de questões relacionadas com a humanidade de maneira geral...
-Tudo bem, vô, mas você fala de um jeito que eu entenda?
- Claro que sim, do contrário não adianta nada eu contar e você não entender...
- Então conta...
- Jesus quando esteve entre nós contou várias histórias e essa é uma delas, vamos lá... Um senhor tinha dois filhos, um deles chegou e pediu a parte dele da herança.
- Herança?
- É... um direito que os filhos tem sobre o dinheiro dos pais depois que eles desencarnam, ou em vida, se entrarem em um acordo...
- Ah! entendi... continua, vô!
- O pai deu o dinheiro pra ele. Em seguida o rapaz foi embora, pois queria aproveitar a mocidade e conhecer o mundo, só que ele passou por situações que ele não esperava, encontrou a fome, gastou o dinheiro com mulheres, bebidas... e um dia o dinheiro acabou...
- Nossa, vô... acabou tudo?
- Acabou tudo, ele ficou sem nada, nem pra comer...
- O que ele fez?
- Tentou arrumar um emprego, pois tinha vergonha de voltar para a casa do pai dele naquele estado...
- Ele conseguiu, vô?
- Conseguir ele conseguiu, mas o emprego não era dos melhores, ele arrumou emprego de tratador de porcos e, pior ainda, só podia comer o que sobrava da alimentação dos porcos, as tais alfarrobas...
- Alfarrobas? Essa é danada... o que é isso?
- É uma espécie de vagem, como a do feijão... eles davam isso para os porcos pelo seu valor nutritivo...
- Legal...
- Só que ele foi percebendo que  tinha errado feio ao sair da casa do pai dele... estava sem dinheiro, sem ter onde morar e, ainda por cima, comendo a comida que sobrava dos porcos que ele alimentava...
- E o que ele fez, vô?
- O que qualquer pessoa normal faria: percebeu o erro, tratou de colocar o orgulho em seu devido lugar e voltou ao lar paterno, para que o pai dele o empregasse como um  trabalhador comum na sua propriedade...
- Será que o pai dele ia aceitar isso, depois de tudo o que ele fez?
- Aceitou e mais: ficou super contente com a volta do filho...
- Não me diga?
- Verdade... o pai mandou fazer uma grande festa para recepcionar o filho que estava de volta, mais maduro, mais consciente do seu papel e mais agradecido pelos benefícios que tinha em casa.
- Nossa, vô...mas ainda não entendi o porquê da expressão: "voltou como o filho pródigo"...
- Como voltou o filho da história de Jesus?
- Sem dinheiro, cansado e querendo um trabalho...
- Pois é isso mesmo, ele voltou sem dinheiro porque foi pródigo, ou seja gastou demais e ficou sem dinheiro nenhum...
- Quer dizer que todo mundo que fica parecido com o filho pródigo é porque voltou sem dinheiro e arrependido?
- É isso mesmo... o importante de tudo é entender que não importam os erros que tenhamos cometido, as faltas que teremos que reparar, o importante é confiar no pai, pois ele nos dá sempre as chances que precisamos para retornar ao lar e continuar com o carinho dessa grande família chama humanidade...
- Na nossa família teve algum caso parecido com esse?
- Toda família tem, em maior ou menor grau, e nós devemos agir como o pai da história de Jesus: receber de coração aberto os que voltam ao nosso convívio, não importando os erros que eles tenham cometido.
- Valeu, vô...
- Valeu, netinha...




Nenhum comentário:

Postar um comentário