quinta-feira, 30 de maio de 2013

Vô, cê deixa eu te ver?

A neta chegou bem pertinho do avô e disse quase sussurrando:
- Vô, deixa eu te ver?
O avô não conseguiu entender direito e pediu para que ela repetisse.
- deixa eu te ver, vô?
- Agora sim... claro, eu tô aqui é só olhar... que tal?
- Não vô, não é desse jeito...
- Então de que jeito é?
Ela ficou meio sem jeito e disse, quase que pedindo desculpas:
- Não é agora... mas olha, eu não quero que você pense errado... eu não quero que isso aconteça rápido...
- O quê você não quer que aconteça rápido, netinha?
- Eu gostaria que você deixasse eu te ver depois que você morrer...
- Ah... agora entendi... mas porquê a pergunta?
- Olha vô... eu não quero que isso aconteça já mesmo, não fica chateado comigo...
- Eu sei que você não quer que isso aconteça, essa parte eu já entendi... o que eu perguntei é o por quê da pergunta...
- Eu vou te contar... eu tenho uma amiga que vê o avô dela e ele já está morto...
- Ela vê direitinho?
- Direitinho, vô, parece que ele tá vivo pertinho dela... e eu queria ver se, só depois que você morrer, você deixava eu te ver...
- Interessante...
- O quê vô?
- A tua amiga... ver o avô desse jeito... ela deve gostar muito dele e ter muita confiança...
- Ela gostava muito e ficou muito triste quando ele morreu... chorava muito e ficou quase deprimida... foi um custo para que ela entendesse...
- Olha que coisa boa, o avô teve permissão para visitar a netinha para que ela não ficasse muito triste...
- Então, eu ficaria muito melhor se você aparecesse assim, sem que eu precisasse ficar muito triste... será que isso é possível?
- Veja só, no caso da tua amiga, os dois tiveram oportunidade e merecimento para que isso se processasse, pois não é tão comum a gente ficar vendo desencarnado a todo momento...
- Ela não vê a todo momento, só de vez em quando...
- Mesmo assim... é meio complicado, pois é necessário que o Espírito que desencarnou já tenha superado os momentos mais críticos... a gente fica meio confuso quando chega do outro lado, precisamos ser amparados e, acima de tudo, nos situar em relação ao novo momento que estamos passando...
- Nossa vô... isso é mais complicado do que eu imaginava...
- Não é de assustar não, mas precisa um pouco de tempo, pois as coisas não acontecem assim de repente...
- Mas ela vê mesmo, vô...
- Com certeza... e deve ter um motivo para que isso tenha acontecido... a tristeza dela explica a possibilidade, mas o importante mesmo é o grau de evolução do avô, que já teve permissão para vir e deixar a netinha mais contente e disposta...
- Ela fala que ele era muito bacana e tratava ela superbem... desde pequenininha...
- Tenho certeza que entre eles existe uma afinidade muito grande e uma ligação construída em termos de amor e cooperação...
- Isso quer dizer que eles se gostavam de outras vidas?
- Com certeza... reencarnamos, normalmente, junto das pessoas que amamos e, eventualmente, com as pessoas que não amamos tanto ainda...
- É mesmo, vô?
- É... os que amamos para que os amemos mais ainda e os que não amamos para que possamos compreender e aceitar o grau de evolução de cada um, entendendo que cada um oferece só o que já tiver conquistado...
- O que isso quer dizer, vô?
- Quer dizer que devemos nos tratar sempre bem e procurar entender os que estão na nossa família, pois todos nós temos limitações e precisamos superar os mal-entendidos rapidamente...
- Por quê, vô?
- Porque quando não superamos os mal-entendidos os levamos para o outro lado, ficamos presos nessas pequenas coisas e isso impede que caminhemos mais rapidamente em direção à nossa destinação final que é nos transformarmos em Espíritos puros...
- Nossa, vô... e como fica esse negócio de poder te ver depois da desencarnação?
- Ah... é verdade... tava esquecendo... para que nos vejamos deveremos ter autorização da espiritualidade, pois tem que ter um propósito maior do que simplesmente satisfazer aos nossos desejos... o amor é o grande instrumento para que a humanidade consiga todas as coisas...
- Mas eu te amo, vô...
- Claro que sim, e eu também te amo...
- Isso quer dizer que poderá acontecer?
- Poderá sim, basta que nós queiramos continuar nos vendo, mas aviso que é de vez em quando...
- Claro, eu tenho mais o que fazer...
- E eu espero que tenha também alguma coisa a fazer do outro lado...
- Quando eu estiver muito triste você vem?
- Venho, mas o importante é que entendamos que não precisamos ficar tristes para vermos os nossos entes queridos, pelo contrário, quando estamos alegres a possibilidade é muito grande e proporcionamos momentos de muita felicidade para os de lá e os de cá...
- Tá bom... quando eu estiver alegre quero te ver também...
- Tá bom, mas eu espero que isso demore... afinal, este planeta é simplesmente maravilhoso e eu adoro estar encarnado e aproveitando os benefícios que ele nos proporciona...
- Eu também, vô...vamos tomar um chá?
- Chá pra você e café pra mim... pode ser?
- Pode!!!

sábado, 30 de março de 2013

Xô preconceito!

Eram quase seis horas da tarde quando as netas chegaram da escola... como sempre foi uma algazarra geral, chegam sempre com muita vontade de liberar o que estava contido durante as aulas e isso é compreensível  afinal nessa idade  o que nós queremos é simplesmente ser...
Chegaram, se trocaram, e foram fazer as lições de casa que cada uma tinha. De repente, uma delas chama:
- Vô, cadê você?
- Tô aqui na sala, o que é?
- Preciso te fazer uma pergunta...
- Tô indo...
Quando o avô chegou, ela cravou a pergunta, certeira, direta, sem rodeios:
- O que é preconceito?
O avô quase caiu duro, de onde saíra aquela pergunta...
- De onde você tirou isso?
- A minha professora falou que existe muito preconceito por ai, mas não explicou direito e eu queria saber...
- Bom, vamos pro dicionário... pode pesquisar na brochura mesmo ou na internet... você decide... depois me mostra o resultado da pesquisa.
Uma delas correu para pegar o dicionário que estava em cima do rack... outra acessou o tio Google para descobrir os dicionários online...
Passado alguns minutos lá vieram as duas com as definições:

Significado de Preconceito
s.m. Opinião ou pensamento acerca de algo ou de alguém, cujo teor é construído a partir de análises sem fundamentos, ou preconcebidas sem conhecimento e/ou reflexão; prejulgamento.
Forma de pensamento na qual a pessoa chega a conclusões que entram em conflito com os fatos por tê-los prejulgado.
Repúdio demonstrado ou efetivado através de discriminação por grupos religiosos, pessoas, ideias; pode-se referir também à sexualidade, à raça, à nacionalidade etc; intolerância. Comportamento que demonstra esse repúdio.
Convicção fundamentada em crenças ou superstições; cisma. 
(Etm. pré + conceito) 
http://www.dicio.com.br/preconceito/ 

Depois de analisarmos o significado chegamos à conclusão de que o preconceito é efetivado por aqueles que tem uma visão tacanha da vida, uma visão onde os demais são colocados sob suspeita, ficando apenas a opinião de quem forma o preconceito. Tudo que seja diferente é visto com olhos desconfiados e, muitas vezes, colocado de lado, passando a ser discriminado.
- Nossa vô, tem gente que é desse jeito mesmo?
- O pior é que tem e agem na surdina, sem que muitas vezes nós percebamos...
- Onde a gente encontra essas pessoas, vô?
- Em qualquer esquina, em qualquer lugar, e também em instituições religiosas...
- Instituições religiosas?
- Isso mesmo... igrejas, templos evangélicos e tantos outros segmentos que deveriam levar ao pé da letra o que Jesus nos disse e, no entanto, não o fazem...
- Vô, o que Jesus nos disse não foi que deveremos amar a Deus e ao próximo?
- Isso mesmo... simples assim...
- E porque eles não levam isso em consideração?
- Muitos pensam que Deus é só deles e, como os outros não seguem a Igreja  que eles seguem, os chamam de infiéis e que não terão a tal salvação...
- Nossa vô, será que Deus é tão ruim assim?
- Com certeza não. Deus nos criou para a felicidade e não liga muito para a religião que este ou aquele tem, afinal de contas Deus é um só e todas as religiões são dele e por ele... os seres humanos é que fazem essa diferença...
- Muito esquisito isso...
- É mesmo, principalmente quando sabemos que Deus é pai de amor de todos nós e não faz a mínima diferença entre nós...
- Vô, nós somos espíritas... tem preconceito no Espiritismo?
- Interessante isso... assim como em todas as religiões, no Espiritismo temos pessoas que não conseguem aceitar as diferenças, que ainda não conseguem perceber que cada um é cada um e que não existem duas pessoas iguais, nem na forma e nem no pensamento...
- O que isso quer dizer, vô?
- Quer dizer que, eventualmente, temos notícias sobre fatos desagradáveis ocorridos com amigos em Centros Espíritas também...
- Você pode contar algum desses "fatos desagradáveis", vô?
- Posso, pois não vou dizer onde nem com quem... é só uma conversa...
- Tá bom...
- Um amigo, muito querido, disse que certa vez foi com uma camiseta com a estampa de um grupo de samba, o nome do grupo era "Pagode do Saci" e tinha como símbolo... o quê?
- Ora vô, pagode do saci... só podia ser um saci!!!
- Acertou e é óbvio... só que alguns não entenderam e acharam de muito mau gosto...
- Eles falaram assim, direto?
- Não, pois as coisas não são ditas assim, direto... tudo começa com uma brincadeira...
- Tipo bulliyng, vô?
- Isso mesmo, tipo bulliyng... só que com fundo preconceituoso e discriminatório, ou seja, não aceitaram a maneira como o meu amigo estava vestido, insinuando que aquele tipo de camiseta não seria adequada ao tipo de casa que ele estava trabalhando...um deles chegou a dizer, em tom de brincadeira, se meu amigo não poderia usar a camiseta do avesso, pois assim não apareceria a figura que representava o grupo de pagode...
- Nossa. vô... eu nunca pensei que isso pudesse acontecer...
- Eu também pensei que isso só acontecesse nos livros que o pessoal escreve, mas cheguei à conclusão que, quando as pessoas são diferentes, seja na maneira de expressar-se ou vestir-se, alguns realmente se incomodam e podem usar maneiras muito eficazes de deixá-las fora da vista das outras pessoas...
- Não acredito, vô...
- Alguns dirigentes, na hora de fazer a escala de trabalho, levam em consideração coisas que, normalmente, não interferem na mensagem que deverá ser passada para os assistidos...
- Que tipo de coisas, vô?
- Alguns pensam que as pessoas não podem rir nas exposições, então o expositor que faz a plateia rir pode ser discriminado, não ser escalado, ou ser escalado em horário com menor afluência de público, enfim... coisas que não são consideradas ruins, mas que não passam de preconceito e discriminação...
- Olha vô, tô surpresa...
- Não se preocupe, pois, de maneira geral, todas as religiões são boas e atendem aos níveis de evolução que cada um está. Infelizmente, alguns seres que se dizem humanos, ainda pensam que só eles tem razão e, por isso, não admitem que possam existir pessoas diferentes fazendo a mesma coisa que eles e cumprindo as tarefas dentro de seus limites...
- Isso vai acabar, vô?
- Um dia, com certeza. O planeta passa por um período de transição e, logo, será um planeta de regeneração e nesse tipo de planeta não haverá lugar para esse tipo de pessoas. Elas serão atraídas para lugares que estarão de acordo com o seu nível de entendimento e evolução...
- Como assim, vô?
- Um planeta de regeneração tem como característica o predomínio do bem e o cumprimento da Lei de Deus, sendo assim só quem amar a Deus e ao próximo terá lugar nesse tipo de planeta...
- Eu espero ficar por aqui, vô... por isso me esforço para não ser preconceituosa...
- Eu também espero ficar por aqui, netinha... me esforço para não ser preconceituoso também... principalmente porque preconceito em instituições religiosas chega a ser imoral... além de crime é claro!

sábado, 19 de janeiro de 2013

Aprendendo a dividir

- Bom dia, vô!
- Bom dia, netinha!
- Vô, me fala uma coisa: o que a gente tá fazendo neste mundo?
- Rapaz... que pergunta! não tem uma mais fácil, não?
- Deixa de brincadeira vô e trata de responder...
- Bom, tenho algumas ideias sobre isso... a primeira é aquela que Jesus nos disse: estamos aprendendo a amar...
- Aprendendo a amar? eu amo meu pai, minha mãe, minhas primas, você, a vó... tá bom?
- É um bom começo... a gente começa sempre pelos próximos mais próximos e a ideia é que nós tenhamos coragem para aumentar esse círculo virtuoso...
- Círculo virtuoso?que é isso?
- Círculo virtuoso é o círculo do bem, das coisas boas que nós podemos fazer e mostrar, assim os outros podem ver e fazer igual... ou melhor...
- Legal, mas como é que podemos aumentar esse tal "círculo virtuoso"?
- Bom, cada um vai encontrar a sua maneira de fazer, isso quer dizer que não existe receita pronta, não é como fazer um bolo que você mistura os ingredientes na proporção certa e o bolo fica gostoso, fofinho e pronto... é preciso tempo, é preciso vontade e, principalmente, persistência...
- Nossa vô, eu pensei que fosse mais fácil, que a gente tirava de letra...
- Podemos tirar de letra sim, mas devemos nos esforçar e ir amando a todos na medida que já conseguirmos, sem deixar de oferecer um centavo de amor, um centímetro de carinho, uma milha de boa vontade...
- Como é que você está fazendo?
- Eu também estou aprendendo e confesso que devagar, bem devagar...
- Por quê devagar?
- Tem coisas que eu ainda não consigo dividir, mas eu já dividi muita coisa e nem fiquei pior por causa disso...
- Por exemplo, vô?
- Vamos começar do comecinho... quando eu era criança...
- O que você dividiu quando era criança?
- Eu dividia a cama com meus pais... eu nunca tive uma cama só minha... eu dormia sempre com alguém... primeiro dormi com meus pais...
- Mas é normal isso... ou não?
- Era normal, pela época em que eu vivi, hoje nem tanto... as crianças tem um quarto separado, camas separadas, armários separados, enfim... tudo só pra elas...
- É quase isso mesmo, vô... eu mesma tenho um quarto meu e tudo o mais que você falou...
- Viu?
- Até aí tudo bem... que mais?
- Bom... depois que eu mudei de casa, lá pelos 1960, eu deixei de dormir com meus pais e fui dormir com meus irmãos... tínhamos um quarto a mais... em compensação ficávamos todos em uma cama só... os meninos em uma, as meninas em outra... era um salseiro... briga pra todo lado...
- Imagino...
- Até que os irmãos foram casando e eu ficando com um pouquinho mais de espaço... ficamos eu e um irmão...
- Nossa vô... e você achava bom?
- Claro... sobrava muito mais espaço...
- É verdade...
- A coisa melhorou quando mudamos para a casa que era da minha irmã... ai tinham os quartos e uma sala com sofá... a minha irmã dormia na sala e eu e meu irmão no quarto... cada um em uma cama... foi um avanço muito grande...
- Nossa vô... você nunca teve um quarto só seu?
- Nunca... mas deixa eu terminar...
- Termina...
- Passado algum tempo o meu irmão comprou a casa, ele ia casar... o terreno era grande e construíram uma casa nos fundos... com quarto, sala, cozinha e banheiro...
- Teus pais no quarto, você na sala... acertei?
- Quase... a ideia era essa mesmo... só que não deu certo...
- Porque,  vô?
- A minha irmã mais velha teve uma série de problemas com o marido e foi morar conosco... lá se foi a minha sala...e pior: ela roncava direto, eu nem conseguia dormir direito...
- E ai, vô?
- Ai que foi uma provação, era ronco toda noite... eu mal conseguia dormir, começava o dia já nervoso...
- Imagino...
- Mas tudo passa, o tempo passou também e com o tempo meu pai comprou uma casa, noutra rua... lá fomos nós outra vez...mudança e mais mudança...
- Agora você vai ter o quarto... ou não?
- Não... a minha irmã foi a escolhida, mas eu fiquei com a sala só pra mim...
- Menos mal, né vô?
- É verdade... assim eu fui dividindo e nunca mais tive alguma coisa que fosse só minha... casa, quarto, esposa...
- Como assim, esposa?
- Claro... depois que eu casei com tua avó o quarto era dos dois... dividido... vieram os filhos e eu dividi a esposa que passou a ser mãe... percebeu?
- Nossa... é verdade vô...
- Por isso que eu te digo que a gente vem pra aprender a dividir...  a gente não gosta muito, mas a vida vai nos ensinando, vai nos propondo algumas mudanças e a gente aceita ou não... aceitar ainda é a melhor solução, pois quem não aprende a dividir fica sozinho...
- É mesmo, e ficar sozinho não é muito bom...
- Não é mesmo ... é uma coisa muito triste... por isso, apesar de tudo, ainda é preferível dividir, mesmo porque quando a gente divide o peso fica menor... as pessoas nos ajudam a carregar...
- Verdade vô...