quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Esquadrão do além – O chamado

A noite ia alta, os amigos estavam reunidos conversando sobre o que eles sentiam e passavam toda noite, para eles era uma coisa quase inexplicável... ficavam perturbados... como era possível esse encontro simplesmente baseado em afinidade?
As questões iam se multiplicando quando perceberam que alguma coisa não ia bem em uma casa próxima do local onde eles estavam...
Foram para lá e viram uma moça atravessando a rua... ela parecia um zumbi... estava de olhos fechados, andando de maneira não muito linear, como se estivesse sendo induzida a fazer isso, apesar de não notarem nada que a estivesse forçando...
Marcos Tertuliano, com sua roupa branca,  vistosa, foi que chamou a atenção dos dois para o cordão fluídico que saia da cabeça da moça, indicando que ela está encarnada...
- isso merece uma investigação mais detalhada, disse Juan... vamos segui-la...
- concordo, disse rapidamente José Estevão, o “super-herói”...
- ok... vamos com cuidado para que não a assustemos...
A moça caminhava como se estivesse andando sobre ovos, bem devagar, parecendo, em alguns momentos, que mal tocava o chão...
Ela foi caminhando durante muito tempo, até que chegou a uma casa e parou...
Aí começamos a perceber o que estava acontecendo...
- ela está atendendo o chamado de alguém... disse Marcos Tertuliano.
- como pode ser isso? Indagou José Estevão...
- será que é isso mesmo? Será que ela não está perdida e precisa de ajuda para voltar pra casa?
- Juan, aquele cordão prateado, igual que os nossos, são a certeza que ela não está perdida, ela não está morta... ela está viva igualzinho que a gente...  se acontecer alguma coisa ela volta imediatamente para o corpo dela, onde estiver..
- Ah... refletiu o nosso “super-herói”
- Vamos acompanha-la... sugeriu o Marcos Tertuliano.
A moça continuava parada, como se o comando tivesse sido interrompido...
Notamos algum movimento na casa, luzes se acenderam, ela continuava parada... nós, com a curiosidade aguçada, resolvemos que entraríamos na casa...
Vimos uma outra moça, sonolenta, bebendo um copo com água... bebeu e voltou para o quarto...
Nós ficamos ali observando o movimento no interior da casa... tudo direitinho, não havia nada que indicasse que alguma força estranha estivesse agindo por ali...
O que seria então que a moça em desdobramento estava querendo?
Foi nesse momento que percebemos uma outra presença... era um jovem, vestido com roupas parecidas com as usadas no século XVII, XVIII... aquelas coisas de filmes de capa e espada...
Ele percebeu nossa movimentação, mas não veio em nossa direção e, para nossa surpresa, o vimos seguindo em direção à moça que ainda estava lá fora...
Ela, quando o viu, ficou tremendo, mas era um tremor de emoção e, quanto mais ele se aproximava mais ela ficava emocionada...
Marcos, que tinha mais experiência, olhava aquilo com muito interesse e parecia, que alguma a mais existia...
Os dois estavam encarnados, mas as roupas do rapaz não eram exatamente da mesma época que as da moça...
Ele pediu que ficássemos atentos para conseguir ouvir alguma coisa...
Dito e feito... ao se aproximarem pudemos ouvir alguma coisa, não totalmente inteligível, mas compreensível...
Marcos nos disse, então, que os dois estavam no mesmo recorte de tempo físico, mas em recortes espirituais diferentes, ou seja, a moça dentro do seu tempo e espaço e o rapaz em tempo diferente, mas no mesmo espaço que ela...
Perguntamos o que era aquilo... não dava para entender... estávamos confusos...
Marcos novamente nos acudiu... ela estava encarnada e com uma proposta para esta encarnação e, por isso , havia esquecido da época em que, provavelmente, os dois estiveram juntos... ele, ao contrário, não havia esquecido tudo e se mostrara dessa forma, tentando fazer com que ela se lembrasse de alguma coisa que fora comum aos dois...
A conversa se desenrolava e nós conseguimos perceber algumas falas...
- eu não posso ficar com você ... dizia a moça...
- pode sim, claro que pode, nós nos amamos, esperei muito tempo por isso...
- não estamos mais vivendo naquele tempo, você tem que entender e parar com essa perseguição...
- eu não estou te perseguindo, simplesmente estou tentando retomar nossas vidas...
- não existe a menor possibilidade...
- claro que existe, nós podemos escolher o que queremos... basta que você se lembre do que passamos juntos... basta que você me dê uma chance de provar que estou melhor...
- você não compreende...
- não compreendo o que?
- a vida é outra... estamos em outro momento... não conseguiremos ficar juntos... nem querendo...
- não existe empecilho nos dias de hoje, apesar das minhas roupas eu sei exatamente o tempo que estamos vivendo... eu sei que as regras são outras, existe um pouco mais de compreensão entre os diferentes... basta que nós queiramos...
- eu não vim para esse tipo de relacionamento... eu quero uma vida normal... vamos deixar para um outro tempo...
Essa última fala nos fez perceber que ali não estava um casal comum... fomos para dentro da casa e vimos quem estava deitado lá no quarto... era a moça que havia levantado para beber água...
Nos olhamos e fomos investigar um pouco mais... seria possível? Nos encaminhamos para os outros quartos e vimos somente um casal de pessoas mais velhas que dormiam a sono solto, despreocupados da vida... nem conseguimos ver onde eles estavam ... o certo é que aquele rapaz lá fora e a moça que dormia aqui dentro eram, literalmente, a mesma pessoa...
Ficamos assombrados e Juan perguntou, entre assustado e intrigado:
- será?
- não será... é... realmente eles estão no mesmo tempo e espaço e o rapaz ainda pensa que é o mesmo dos tempos em que estiveram juntos...
- será que eles tem chance de se encontrarem e se relacionarem amorosamente, nesta encarnação?
- a possibilidade existe sim, mas precisamos ver como os dois se comportam, pois pelo que ouvimos a moça não está com muita vontade de reatar o relacionamento dentro do que ele está propondo...
- é verdade... caramba... isso parece coisa de novela...
- é mais ou menos... a gente, às vezes, não consegue se livrar das lembranças, das tendência e passa a viver em outro corpo com as mesmas ideias que tínhamos...
- isso fica pra sempre?
- não... acho que é um momento... não necessariamente ele continuará atraindo a moça pra si... pode ser que nem se encontrem no plano físico e, caso se encontrem, não necessariamente terão uma relação homossexual... vai depender do entendimento que terão do momento que estão vivendo...
- mas eles vão sentir uma atração, caso se encontrem... ou não?
- pode ser que sim, pode ser que não... acontece com todos nós quando reencontramos pessoas de outras encarnações... pode haver uma simpatia instantânea ou uma repulsa instantânea... vai depender do que vivemos anteriormente...
- caramba!!! Por essa eu não esperava...
- nem eu... respondeu Marcos Tertuliano...
Nesse meio tempo José Estevão já estava na rua novamente e... a moça tinha desaparecido...
O rapaz entrara na casa e estava desolado... perto da cama... olhando fixamente para o corpo que estava aí deitado... sem saber o que fazer...
Nisso vimos uma outra presença... um senhor de cabelos brancos, magro, vestido com uma espécie de lençol, parecido com os fantasmas que a gente vê em filmes de Hollywood...
Ele chegou bem pertinho e, parecendo falar alguma coisa para o rapaz, começou a fazer movimentos que tomavam todo o “corpo” dele...
À medida que os movimentos se repetiam, o rapaz ia ficando mais calmo e, de repente, vimos uma névoa se formando, essa névoa foi absorvida pelo corpo da moça que estava na cama...
O senhor, então, se dirigiu até a cama, passou as mãos por cima do corpo, em movimentos lentos e parou alguns momentos ao lado... dava a impressão que ele estava fazendo uma oração naquele momento...
De repente, ele foi se desvanecendo e sumiu...
- Rapaaaiiizzzz!!! O que aconteceu? Perguntou José Estevão...
- provavelmente é o mentor do Espírito que ali está... devem ser passes para acalmar as emoções que sentiu... viram como o corpo estava agitado? Ele não conseguia voltar para o corpo com facilidade, foi preciso que o senhor que ali estava oferecesse alguns passes de equilíbrio e reconforto para que ele se acalmasse e conseguisse fazer o retorno ao corpo físico...
- e agora? Perguntou Juan...
- agora é esperar... não sabemos nada dos dois, nem o que programaram para esta reencarnação... o que importa é que eles estão tentando restabelecer o amor vivido em outros tempos...
- e se não conseguirem? Perguntou Juan...
- eles encontrarão opções que estejam de acordo com suas possibilidades... talvez se encontrem em alguma ação social e compreendam que isso é mais importante que a satisfação dos desejos que possam ter um pelo outro... ou talvez nem se vejam mais e deixem no passado distante o que viveram e aguardem uma nova oportunidade para programarem o reencontro...
- nossa... a vida tem coisas que a própria razão desconhece.... lembrou José Estevão...
- é verdade... respondeu Juan...
- será que nós os veremos novamente?
- provavelmente não... eles são donos de si e terão discernimento suficiente para fazer o que esteja de acordo com o que se propuseram nesta reencarnação...
- Marcos... como é que você sabe tanta coisa do lado de cá?
Marcos ficou surpreso com a indagação e desconversou...
- Vamos embora que logo, logo o dia vai raiar...

Manolo Quesada
18/02/2018



Nenhum comentário:

Postar um comentário